e-ISSN: 2446-4775 | ISSN: 1808-9569

Contribuindo para o conhecimento científico sobre Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em biodiversidade e saúde.

Capa Revista Fitos

Seja um assinante Fitos

Assine a Revista Fitos e receba os lançamentos em seu email.

Assinar

  • Resumo

    O uso de espécies vegetais para o tratamento ou prevenção de doenças é muito empregado por populações nativas e tradicionais. Muitas vezes este conhecimento fica restrito ou perdido com o passar das gerações, ou em outros casos, o uso indiscriminado pode ocasionar efeitos colaterais. Espécies do gênero Eucharis, pertencentes a família Amaryllidaceae são plantas endêmicas do continente Americano e comumente utilizadas na medicina popular como plantas medicinais, principalmente na região Andina e Amazônica. O uso tradicional de espécies deste gênero botânico é atribuído à presença de um grupo químico encontrado principalmente em espécies vegetais, conhecido como alcaloides, que podem possuir vasta ação terapêutica ou alta toxicidade. Os alcaloides, pertencentes ao gênero Eucharis, são classificados como isoquinolínicos e, podemos destacar a presença de 5 núcleos base: a licorina, narciclasina, hemantamina, tazetina e galantamina. A ação terapêutica deste gênero vegetal é devido a presença dos alcaloides, cujos estudos apresentam, em destaque, ações: anti-inflamatória, emética e antitumoral, demonstrando a sua eficácia terapêutica. Contudo, deve-se salientar que os alcaloides também possuem elevada toxicidade, e se utilizados indiscriminadamente podem levar a ações adversas no organismo.

    Artigo

    Texto completo

    HTML
    PDF

    Palavras-chave

    Plantas medicinais. Medicina tradicional. Atividade terapêutica. Alcaloides isoquinolinicos.
  • Referências

    ALBUQUERQUE, U.P.; ANDRADE, C.H.L. Uso de recursos vegetais da caatinga: o caso Agreste do Estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil). Interciências, Caracas, v. 27, n.7, p.335-364, 2002. ISSN: 0378-1844.

    ALVARADO A. Medicinal plants of Ishpingo Botanical Garden. Amazon Plants Conservation Center. Jatun Sacha Biological Station. Fundación Jatun Sacha. Quito, Ecuador. 1996.

    BEZERRA, D.A.C. Estudo fitoquímico, bromatológico e microbiológico de Mimosa tenuiflora (Wild) Poiret e Piptadenia stipulaceae (Benth) Ducke. Campina Grande, PB. apresentada como dissertação de mestrado, Departamento de Zootecnia, UFCG. 2008.

    BRUNETON, J. Farmacognosia, Fitoquímica, Plantas Medicinales. 2ª ed. Zaragoza: Acribia Editorial , 1099p. 2001. ISBN 9788420009568.

    CABEZAS, F.; ARGOTI, J.; MANTINEZ, S; CODINA. C; BASTIDA, J. VILADOMAT, F. - Alcaloides y actividad biológica en Eucharis amazonica, E. grandiflora, Cliphruria subedentata y Crinum kunthianum, especies colombianas de Amaryllidaceae. Universidad Tecnologica de Pereira, Scientia et Technica, Colombia, v.1 , n. 33, p. 237-241, 2007. ISSN 0122-170.

    DAHLGREN, R.M.T. A revised system of classification of the Angiosperms. In: Bergoñón, S.; Aislamiento y caracterización química de alcaloides del tipo Amaryllidaceae. Producción de galantamina por cultivo 'in vitro' de Narcissus confusus, apresentada como tese de doutorado, Faculdade de Farmácia, Universidade de Barcelona, 1994.

    DUTILH, J.H.A.; OLIVEIRA, R.S. Amaryllidaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. RJ, 2015. Disponível em: [Link]. Acesso em: 11 de Novembro de 2015.

    ELLENHORN, M.J.; BARCELOUX, D.G. Medicinal toxicology Diagnosis and treatment of human poisoning (Hardcover), Elsevier, New York, 1512 p. 1988.

    HEYWOOD, V.H. Flowering Plants of the World. Oxford University. New York. 336p. 1993. ISBN-10: 0195210379.

    LIMA, R. A.; MAGALHÃES S.A.; DOS SANTOS, M. R. A. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas na cidade de Vilhena, Rondônia. Revista Pesquisa & Criação, Universidade Federal de Rondônia, v. 10, n. 2, p.165-179, 2011. ISSN 1982-7857.

    MIKSATKOVA, P.; LANKOVA, P.; HUML, L.; LAPCIK, O. Isoflavonoids in the Amaryllidaceae Family. Natural Product Research, USA, v, 28, n.10, 690–697, 2014. [CrossRef] [PubMed]

    ODONNE, G.; VALADEAU, C.; ALBAN-CASTILLO, J.; STIEN, D.; SAUVAIN, M.; BOURDY. G. Medical ethnobotany of the Chayahuita of the Paranapura basin (Peruvian Amazon). Elsevier, Journal of Ethnopharmacology, USA, v. 146, n.7. p.127-53, 2013. [CrossRef] [PubMed].

    PACIFIC BULB SOCIETY. Eucharis. 2013. Disponível em: [Link]. Acesso em 10 de junho 2015.

    RENGIFO, S. E. L. Determinación y desarrollo de remocaspi como antimalárico y otras especies biocidas. Informe técnico, Programa de aprovechamiento sostenible de la biodiversidad (Instituto de Investigaciones de la Amazonia Peruana) Iquitos – Perú. 2001.

    SCHULTES, R.E.; RAFFAUT R.F. The healing forest Medicinal and toxic plants of the Northwest Amazonia (Historical, Ethno & Economic Botany), 1ª ed., Dioscorides Press, Portland, OR-USA. 1990. ISBN-13: 978-0931146145.

    SILVERSTONE SOPKIN, P. A. Los muertos vivientes: la historia natural de cuatro lirios amazonicos del suroccidente de Colombia. Programa Editorial, Universidad del Valle, Cali, Colombia. 100p. 2011. ISBN. 9586709515.

    SOUZA, J.M.A. Plantas medicinais utilizadas por seringueiros do projeto de assentamento extrativista São Luiz do Remanso. São Paulo, SP: apresentada como dissertação de mestrado, Faculdade de Ciências Agronômicas, UNESP. 2000.

    SUMAR, H.E.D. Inventario de recursos curativos en centros de expendio formales e informales: San Martin. Serie: Apuntes de Medicina Tradicional n. 87. 1998.

  • Histórico do artigo

    • Data de submissão:
    • Data de publicação:
  • Licença


    1. DIREITOS CEDIDOS - A cessão total não exclusiva, permanente e irrevogável dos direitos autorais patrimoniais não comerciais de utilização de que trata este documento inclui, exemplificativamente, os direitos de disponibilização e comunicação pública da OBRA, em qualquer meio ou veículo, inclusive em Repositórios Digitais, bem como os direitos de reprodução, exibição, execução, declamação, recitação, exposição, arquivamento, inclusão em banco de dados, preservação, difusão, distribuição, divulgação, empréstimo, tradução, dublagem, legendagem, inclusão em novas obras ou coletâneas, reutilização, edição, produção de material didático e cursos ou qualquer forma de utilização não comercial.

    2. AUTORIZAÇÃO A TERCEIROS - A cessão aqui especificada concede à FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ o direito de autorizar qualquer pessoa – física ou jurídica, pública ou privada, nacional ou estrangeira – a acessar e utilizar amplamente a OBRA, sem exclusividade, para quaisquer finalidades não comerciais, nos termos deste instrumento.

    3. USOS NÃO COMERCIAIS - Usos não comerciais são aqueles em que a OBRA é disponibilizada gratuitamente, sem cobrança ao usuário e sem intuito de lucro direto por parte daquele que a disponibiliza e utiliza.

    4. NÃO EXCLUSIVIDADE - A não exclusividade dos direitos cedidos significa que tanto o AUTOR como a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ ou seus autorizados poderão exercê-los individualmente de forma independente de autorização ou comunicação, prévia ou futura.

    5. DIREITOS RESERVADOS - São reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) os direitos morais sobre as obras de sua autoria e/ou titularidade, sendo os terceiros usuários responsáveis pela atribuição de autoria e manutenção da integridade da OBRA em qualquer utilização. Ficam reservados exclusivamente ao(s) AUTOR(es) e/ou TITULAR(es) os usos comerciais da OBRA incluída no âmbito deste instrumento.

    6. AUTORIA E TITULARIDADE - O AUTOR declara ainda que a obra é criação original própria e inédita, responsabilizando-se integralmente pelo conteúdo e outros elementos que fazem parte da OBRA, inclusive os direitos de voz e imagem vinculados à OBRA, obrigando-se a indenizar terceiros por danos, bem como indenizar e ressarcir a FIOCRUZ - FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ de eventuais despesas que vierem a suportar, em razão de qualquer ofensa a direitos autorais ou direitos de voz ou imagem, principalmente no que diz respeito a plágio e violações de direitos.

    7. GRATUIDADE - A cessão e autorização dos direitos indicados e estabelecidos neste Instrumento será gratuita, não sendo devida qualquer remuneração, a qualquer título, ao autor e/ou titular, a qualquer tempo.

Feedback