Efeito do ácido indolbutírico na produção de raízes in vitro de Psychotria ipecacuanha (Brot.) Stokes – Rubiaceae

Simone da Silva, Spartaco Astolfi Filho

DOI: http://dx.doi.org/10.17648/2446-4775.2018.616

Resumo


Psychotria ipecacuanha (Brot.) Stokes (Rubiaceae) é uma planta medicinal, conhecida como ipeca, que em suas raízes, são encontrados dois alcalóides de grande valor farmacológico (emetina e cefalina), usados no tratamento antidiarréico, amebicida, expectorante e antiinflamatório. O risco de extinção e a dificuldade do cultivo convencional da espécie, frente à grande demanda de mercado, fomentam estudos de métodos de cultivo que possibilitem a exploração econômica da mesma. Este trabalho apresenta dados sobre o desenvolvimento de protocolo de cultivo de raízes in vitro de P. ipecacuanha. Foram utilizadas folhas, segmentos nodais, internodais e raízes, que foram introduzidos em meios de cultura contendo diferentes concentrações (0,5; 1,0; 1,5; 2,0; 2,5 e 3,0 mg.L-1) de ácido indolbutírico. O melhor tratamento para a formação de raízes foi com a utilização de segmentos nodais, em meio de cultura contendo 2,5 e 3,0 mg.L-1 de AIB, que deram origem a 100% de formação de raízes, aos 60 dias de cultivo. Com relação ao número de raízes, o melhor resultado (13:1), foi obtido com a utilização de segmentos internodais em meio suplementado com 2,5 mg.L-1 de AIB e, o melhor comprimento de raízes foi obtido em segmentos radiculares desenvolvidos em 1,5 mg.L-1 de AIB (0,87cm por raiz).

Palavras-chave


Ipecac. Root culture. In vitro culture. Plant biotechnology.

Texto completo:

PDF (English) HTML (English)

Referências


Lameira OA. Cultivo da ipecacuanha [Psychotria ipecacuanha (Brot.) Stokes]. Belém: Embrapa Amazônia Oriental. Circ Tec. 2002; 28: 1-4. [Link].

Oliveira LO, Venturini BA, Rossi AAB, Hastenreiter SS. Clonal diversity and conservation genetics of the medicinal plant Carapichea ipecacuanha (Rubiaceae). Genet Mol Biol. São Paulo. 2010; 33(1):86-93. ISSN: 1415-4757. [CrossRef].

Ferreira Júnior WS, Cruz MP, Santos LL, Medeiros MFT. Use and importance of quina (Cinchona spp.) and ipeca (Carapichea ipecacuanha (Brot.) L. Andersson): Plants for medicinal use from the 16th century to the present. J Herb Med. 2012; 2(4):103-112. [CrossRef].

Brandão MGL, Pignal M, Romaniuc S, Grael CFF, Fagg CFF. Useful Brazilian plants listed in the field books of the French naturalist Auguste de Saint-Hilaire (1779–1853). J Ethnoph. 2012; 143(2): 488-500. ISSN: 0378-8741. [CrossRef]. [PubMed].

Agra MF, Silva KN, Basílio IJLD, França PF, Barbosa-Filho JM. Survey of medicinal plants used in the region Northeast of Brazil. Rev Bras Farm. João Pessoa. 2008; 18(3):472-508. ISSN: 1981-528X. [CrossRef].

Otoni WC, Silva ML, Azevedo AA, Carvalho IF, Rossi AAB, Castrillon SI. Morfoanatomia dos sistemas gemíferos de poaia (Carapichea ipecacuanha (Brot.) L. Andersson) – Rubiaceae. Rev Fitos. Rio de Janeiro. 2015; 9(1): 9-17. [CrossRef].

Andrade CRS, Lameira OA. Padrão de venação de Psychotria ipecacuanha (Brotero) Stokes (Rubiaceae). Rev Trópica: Cien Agr Biol. 2017; 9(1): 104-110. [Link].

Miranda GO. A poaia: um estudo em Barra do Bugres. 1983. Monografia [Especialização em História e Historiografia de Mato Grosso] – Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá.

Corrêa MX. Ensaio bibliográfico sobre a Economia da Poaia na Zona da Mata Mineira. Em: XX ciclo de estudos históricos. Anais do XX ciclo de estudos históricos. Ilhéus: Universidade Estadual de Santa Cruz. 2010.

Costa MP, Pinto JEB, França SC. Crescimento e teor de emetina em plantas de ipeca (Cephaelis ipecacuanha A.Richard.) obtidas in vitro e submetidas às condições de soluções nutritivas em casa de vegetação. Rev Cien Agrotec. 2000; 24(1): 46-53. [Link].

Vieira LS. Manual da medicina popular: A Fitoterapia da Amazônia. Belém: Agronomia Vozes, 1991. 247p.

Rocha TT, Lameira OA. Avaliação do período de floração e frutificação do BAG ipecacuanha. Em: 15° Seminário de Iniciação Científica da Embrapa. Belém, PA. Anais do XV Seminário de Iniciação Científica da Embrapa: Embrapa Amazônia Oriental, 2011. [Link].

Cncflora. Carapichea ipecacuanha in Lista Vermelha da flora brasileira versão 2012.2 Centro Nacional de Conservação da Flora. Acesso em: 16 jan 2018. [Link].

Yoshimatsu K, Shimomura K. Cephaelis ipecacuanha A. Rich. (Brazilian ipeca) Micropropagation and the production of emetine and cephaeline. Em: Bajaj Y.P.S. Biotechnology in Agriculture Forestry: Medicinal and Aromatic Plants, Berlin: Springer Verlag. 1993; 21(4): 87-103.

Kingston DGI. Modern Natural Products Drug Discovery and its Relevance to Biodiversity Conservation. J Nat Prod. Berlin: Springer Verlag. 2011; 74(3): 496-511. [CrossRef].

Murashige T, Skoog FA. Revised medium for rapid growth and bioassays with tobacco tissue culture. Phys Plant. 1962; 15: 473-497. [CrossRef].

Miranda CS, Chalfun NJ, Hoffmann A, Dutra LF, Coelho GVA. Enxertia recíproca e AIB como fatores indutores do enraizamento de estacas lenhosas dos porta-enxertos de pessegueiro ‘Okinawa’ e umezeiro. Cien Agrotec. 2004; 28: 778-784. [CrossRef].

Figueiredo LS, Bonfim FPG, Ferraz EO, Castro CE, Souza MF, Martins ER. Influência do ácido indolbutírico no enraizamento de alecrim-pimenta (Lippia sidoides) em leito com umidade controlada. Rev Bras Plan Medic. 2009; 11: 33-36. [CrossRef].

Duarte EF, Resende Júnior PM, Carneiro IF. Enraizamento de estacas de ixora (Ixora coccinea L.) com o uso de AIB e solução mineral. Em: Congresso de pesquisa, ensino e extensão da UFG - CONPEEX 3. 2006, Goiânia. Anais eletrônicos do III Seminário de Pesquisa e Pós-Graduação [CD-ROM], Goiânia: Universidade Federal de Goiânia, 2006. [Link].

Vasques GH, Mesquita KAC. Avaliação de diferentes substratos e doses de hormônio no enraizamento de estacas de ixora (Ixora coccinea L. inn “compacta”). Em: Congresso Brasileiro de Floricultura e Plantas Ornamentais, 14, Anais do Congresso Brasileiro de Cultura de Tecidos de Plantas, 1, Universidade Federal de Lavras, Lavras: UFLA/FAEPE, 2003. 101p.

Pasqual M, Chalfun NNJ, Ramos JD, Vale MR, Silva CRR. Fruticultura comercial: propagação de plantas frutíferas. Lavras: UFLA. 137p. 2001.

Ramos JD, Matos LES, Gontijo TCA, Pio R, Junqueira KP, Santos FC. Enraizamento de estacas herbáceas de ‘mirabolano’ (Prunus cerasifera EHRN) em diferentes substratos e concentrações de ácido indolbutírico. Rev Bras Frutic. 2003; 25(1):189-91. ISSN: 1806-9967. [CrossRef] [Link].

Krysczun DK, Siilva JAG, Marolli A, Trautmann APB, Lucio AD, Carbonera R. Growth regulator on oat yield indicators. Rev Bras Eng Agr Amb. 2017; 21(12):828-833. [CrossRef].

Hartmann HT, Kester DE, Davies RT, Geneve RL. Plant propagation: principles and practices. 8ª ed. New Jersey: Prentice Hall, 2011. 915p.

Zietemann C, Roberto SR. Efeito de diferentes substratos e épocas de coleta no enraizamento de estacas herbáceas de goiabeira, cvs. Paluma e Século XXI. Rev Bras Frut. 2007; 29:31-36. [CrossRef].

Carvalho Júnior WGO, Melo MTP, Martins ER. Comprimento da estaca no desenvolvimento de mudas de alecrim pimenta. Cien Rural. Santa Maria. 2009; 39:2199-2202. ISSN: 1678-4596. [CrossRef].


Apontamentos

  • Não há apontamentos.